Mulheres de diversas instituições, do Brasil e América Latina, debatem acerca de sua inclusão, de forma igualitária, na tarefa de promover a transição para energia sustentável.

As professoras Suani Teixeira Coelho, Virgínia Parente e Hirdan Katarina de Medeiros Costa, coordenadoras de projetos do Fapesp Shell Research Centre for Gas Innovation (RCGI), juntamente com a diretora de liderança do centro, Karen Mascarenhas, a representante da Shell no Comitê Executivo do RCGI, Camila Brandão, e a pesquisadora Drielli Peyerl participam da mesa de debates do lançamento latino-americano da Rede Global de Mulheres para a Transição Energética (GWNET, na sigla em inglês). O evento acontece em São Paulo, no dia 18 de junho, no Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE/USP).

Os debates são parte da programação do Diálogo em Energia Renovável e Transformação Energética, que começa no dia anterior (17/6). Clique aqui para acessar a programação e o link para a inscrição gratuita. Serão duas mesas-redondas compostas por mulheres marcando o pontapé inicial da GWNET na América Latina, tendo como chair a Embaixadora da Áustria no Brasil e no Suriname, Irene Giner-Reichl. Cada uma das mesas contará com dez participantes, entre representantes de instituições de pesquisa, órgãos do governo (brasileiros e de países latino-americanos), empresas, universidades, ONGs, entre outras. As integrantes do RCGI participam de uma das mesas.

“O lançamento da Rede permitirá que mulheres ocupando postos relevantes na área de energias renováveis possam colaborar para acelerar a transição energética mundial. Certamente as mulheres podem dar uma contribuição importante para a evolução de uma matriz energética mundial mais sustentável em termos ambientais e sociais”, afirma a professora Suani Teixeira Coelho, titular do IEE/USP, coordenadora do Grupo de Pesquisa em Bioenergia (GBio) e uma das organizadoras do evento.

“É fundamental incluir o tema de igualdade de gênero no debate de políticas públicas, inclusive na empregabilidade no setor de energia. No IEE, temos apoiado a inserção de alunas, sempre almejando a igualdade de oportunidades”, acrescenta Hirdan Katarina de Medeiros Costa, professora do IEE/USP.

Brasil e renováveis – Os dois dias de Diálogo focam ainda o lançamento do Relatório do Status Global das Renováveis 2019, da Renewable Energy Police Network for the 21st Century (REN21). Trata-se da primeira vez em que o Relatório é lançado no Brasil concomitantemente com o resto do mundo. “Isso é uma prova da importância do nosso país no setor de renováveis, pela nossa matriz energética altamente renovável e pelos nossos programas de incentivo às renováveis””, diz a professora Suani Coelho.

De acordo com o Balanço Energético Nacional 2018 (ano base 2017), da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), atualmente 43% da oferta de energia no Brasil é composta por renováveis. No mundo, o percentual médio de renováveis na matriz energética é de aproximadamente 14%.